Aprenda muito mais.

Conheça Margaret Tobin Brown !

Reproduzir vídeo

A HISTÓRIA REAL

Nascimento

Margaret Tobin Brown filha dos imigrantes irlandeses John e Johanna Tobin nascida em 1867 em Hannibal, Missouri. Os Tobins fizeram parte de uma onda de imigração após o primeiro período de industrialização na América.

Aníbal era uma comunidade diversificada onde Margaret foi exposta a uma variedade de pessoas e interesses e onde seus pais encontraram um grupo de imigrantes católicos irlandeses que apoiavam a liberdade e a igualdade.

Os Tobins tinham visões progressistas que valorizavam a educação, mesmo para suas filhas. Margaret frequentou a escola até os 13 anos e as lições que aprendeu com seus pais permaneceram com ela durante toda a sua vida, orientando seu impulso para o crescimento pessoal e seu compromisso em participar do mundo ao seu redor.

Margaret também encontrou as lutas da classe trabalhadora quando começou a trabalhar em uma fábrica aos 13 anos. Longos dias, baixos salários e instabilidade caracterizaram a vida de muitos em sua comunidade, incluindo seu pai. Um de seus sonhos, moldado pelo status de Aníbal como um importante centro de transporte, era se mudar para o oeste. Margaret e seu irmão Daniel seguiram os sonhos pessoais e se mudaram para Leadville, Colorado.

A HISTÓRIA REAL

Leadville

Uma vez em Leadville, Margaret começou a trabalhar em uma loja de departamentos local e se tornou ativa na comunidade católica irlandesa através da Igreja da Anunciação. Ela também testemunhou as duras realidades que muitos buscadores de ouro encontraram quando finalmente chegaram às Montanhas Rochosas, já que muitos foram forçados a abandonar seus sonhos de independência e riqueza para ganhar a vida fazendo trabalho assalariado sob condições duras e de exploração. Margaret logo se envolveu nos esforços de caridade.

Pouco tempo depois de sua chegada, ela conheceu J.J. Brown, um engenheiro de mineração com perspectivas respeitáveis, mas sem fortuna. Depois de um namoro de verão, Margaret e J.J. se casaram em 01 de setembro de 1886. Os recém-casados se mudaram mais para Stumpftown, mais perto de onde J.J. estava trabalhando. Os mineiros de Leadville e suas famílias muitas vezes viviam perto das minas, particularmente nos meses de inverno, quando a viagem para a cidade poderia ser fria e traiçoeira.

Apesar das duras condições de trabalho e da raridade das histórias de sucesso, a sensação inebriante de que um trabalhador regular poderia se tornar rico dominou Leadville até 1893, quando tudo desmoronou. Embora Leadville já tivesse sua parcela de transitoriedade e instabilidade, o acidente criou pobreza e ansiedade extraordinárias. Foi nesse ambiente que J.J. fez uma descoberta fortuita, embora bem pesquisada, de ouro na Mina Little Johnny. Como principal acionista da Ibex Mining Company, proprietária da Little Johnny, J.J. e Margaret se tornaram milionários.

A HISTÓRIA REAL

A Rainha

Com sua fortuna e um círculo de amigos já crescente, os Browns compraram o que se tornaria sua casa de longa data em Denver na Pennsylvania Avenue em 1894. Na década de 1890, o horizonte de Denver estava cheio de hotéis, blocos de escritórios e chaminés de tijolos iminentes. Denver era o ponto de entrada e saída para matérias-primas e havia fundições por todos os lados.

A mudança dos Brown para Denver não proporcione uma fuga dos que já se vivi anteriormente, já que sua nova cidade estava sobrecarregada com o caos social. Favelas cresceram nos arredores do centro da cidade. As crianças lutaram especialmente contra a pobreza e a falta de moradia e chamaram a atenção dos reformadores progressistas. Esses reformadores também chamaram a atenção de Margaret.

O movimento progressista surgiu da turbulência social criada pela industrialização e ambientes urbanos densos, Margaret se juntou aos reformadores para instalar banhos públicos no tribunal e defender mais parques públicos e outras melhorias na cidade. Ela também trabalhou em estreita colaboração com o controverso reformador Ben Lindsey, um juiz e político de Denver que foi pioneiro na criação do primeiro sistema judicial juvenil a oeste do Mississippi.

A HISTÓRIA REAL

Aventureira

Além da filantropia possibilitada por sua riqueza, os Browns desfrutaram de outras aventuras e viagens. Em 1902, Margaret e J.J. embarcaram em uma turnê mundial que os levou pela Irlanda, França, Rússia, Índia e Japão, entre outros lugares. Ambos os Browns gostaram imensamente da viagem, com Margaret escrevendo artigos de viagem detalhando suas observações do sistema de castas da Índia para os jornais de Denver.

Enquanto a viagem parecia superar a distância entre os dois por alguns anos, em 1909, após 23 anos de casamento, os Browns assinaram silenciosamente um acordo de separação. De acordo com o acordo, Margaret recebeu um acordo em dinheiro e manteve a posse da casa na Pennsylvania Street. Ela também recebia US$ 700 por mês, permitindo que ela continuasse suas viagens e atividades filantrópicas. Os dois nunca se divorciaram, mas a separação durou até a morte de J.J. em 1922.

A HISTÓRIA REAL

Americana

As experiências de Margaret Brown no navio são a parte mais conhecida de sua história, mas é o rescaldo da tragédia e o papel de Margaret em ajudar os sobreviventes que a colocaram no centro das atenções nacionais pela primeira vez.

Com essa nova fama nacional, o Colorado pediu sua liderança em abril de 1914. Durante meses, os mineiros em Ludlow estiveram em greve contra a Colorado Fuel and Iron Company em um esforço para ganhar melhorias de condições de trabalho, horas extras e melhorias nas condições de trabalho perigosas. A empresa, parte do conglomerado Rockefeller, recusou suas demandas. As mulheres locais escreveram para Margaret Brown pedindo sua ajuda e afirmando, Ouvimos falar de sua ansiedade para fazer pelos homens na Guerra do México e queríamos falar de nossos próprios homens e mulheres de nossa própria guerra, aqui em casa, conforme relatado no Denver Times.

As tensões entre mineiros em greve e CF&I vieram à tona em 20 de abril, quando uma batalha eclodiu entre os mineiros e guardas particulares contratados pela empresa. Vinte pessoas foram mortas na luta, incluindo várias mulheres e crianças. A tragédia em Ludlow se tornou uma crise nacional quando os americanos souberam dos detalhes horríveis de um dos conflitos trabalhistas mais violentos da história americana.

Margaret, que tinha conexões tanto no Ocidente quanto no Oriente, foi para Ludlow em resposta a apelos urgentes de ajuda de ambos os lados, cada um vendo-a como uma aliada. Margaret lutou para manter um meio termo, recusando-se a se juntar aos radicais pedindo a renúncia do governador, ao mesmo tempo em que desafiava Rockefeller sobre suas duras práticas comerciais. À medida que os dois lados se entrincheiraram ainda mais, Margaret falou sobre os direitos dos mineiros e pressionou Rockefeller com a mídia negativa resultante. Rockefeller acabou suavizando sua posição e concordou em fazer concessões. O conflito em Ludlow acabou sendo resolvido e, de muitas maneiras, marcou o fim da ala radical do movimento operário na América, à medida que o novo conhecimento de relações públicas de industriais como Rockefeller se tornava cada vez mais eficaz.

A HISTÓRIA REAL

Progressiva

Depois que Margaret retornou ao Colorado com menos frequência e passou grande parte de seu tempo em uma casa de verão alugada em Newport, Rhode Island. Newport foi o auge da alta sociedade americana no início do século XX. Era um lugar competitivo onde famílias ricas mostravam suas fortunas construindo casas luxuosas e organizando festas espetaculares. Newport foi a primeira cidade americana a ter um campo de golfe, um clube de tênis e o uso regular de carros. Também era dominado por mulheres, já que os homens passavam a maior parte do tempo na cidade de Nova York fazendo negócios, só vindo à cidade para passeios sociais nos fins de semana. Margaret Brown foi atraída pelas mulheres independentes de Newport, embora sua fortuna fosse pequena em comparação. Margaret foi rapidamente aceita pelos líderes de Newport, particularmente Alva Vanderbilt Belmont, presidente da Associação Nacional de Sufrágio Feminino.

Juntas, Margaret e Alva se envolveram na Liga Nacional dos Sindicatos das Mulheres. Ao contrário de outras organizações de mulheres ou grupos de trabalho, a Liga incluiu mulheres das classes altas e mulheres trabalhadoras em um esforço para defender um salário mínimo e uma jornada de trabalho de oito horas. Margaret viajou pelo país falando sobre questões femininas e trabalhistas, e foi autora de dezenas de artigos de jornal. Ela se tornou cada vez mais próxima do lado radical do partido das mulheres, liderada por Alice Paul, que pressionou muito por uma emenda nacional ao sufrágio.

Em julho de 1914, Margaret trabalhou com Alva Belmont para organizar a Conferência das Grandes Mulheres, uma preparação para o anúncio de agosto de campanhas de sufrágio mais agressiva. Margaret falou na Conferência, detalhando a situação dos mineiros do Colorado e se reunindo por um movimento de direitos para todos, que combateria a ganância das grandes empresas com o sufrágio universal.

O impulso criado pela Conferência das Grandes Mulheres e o apoio de líderes nacionais do sufrágio, como Alva Belmont e Alice Paul, impulsionaram Margaret à sua proposta de candidatura a um assento político como EUA. Senador representando o Colorado. Seu estilo atraiu homens e mulheres, muitos dos quais apoiavam a plataforma progressiva. Os jornais do Colorado e o New York Times favoreceram sua vitória.

No entanto, quando a Primeira Guerra Mundial eclodiu, Margaret mudou seu foco para os esforços de socorro, eventualmente viajando para a França para trabalhar para o Comitê Americano para a França Devastada. Em sua partida, um repórter de Nova York observou, Se me pedissem para personificar a atividade perpétua, acredito que nomearia a Sra. J.J. Brown, a figura social de Newport, sufragista e patriota. Margaret finalmente ganhou a Legião de Honra Francesa por suas atividades.

A HISTÓRIA REAL

Cidades

O foco da América mudou após a Primeira Guerra Mundial. Com novas responsabilidades internacionais e um senso de um mundo maior, os americanos urbanos exploraram a arte, a música e o teatro em maior grau. Com o fim da guerra, a passagem do sufrágio feminino em 1920 e a morte de J.J. em 1922, Margaret se juntou ao renascimento cultural, especialmente perseguindo seu interesse no palco. Ela emulou uma de suas heroínas, Sarah Bernhardt, interpretando o famoso papel de Bernhardt em L’Aiglon em Paris e Nova York.

Com alguma influência parisiense, a cidade de Nova York se tornou a capital cultural da nação, cheia de novas energias e comodidades modernas. Imigrante da America do Sul e imigrantes de todo o mundo continuaram a fazer de Nova York um caldeirão, influenciando sua música, arte e teatro. As jovens trabalhadoras também se juntaram às massas e começaram a moldar uma nova identidade americana, a Nova Mulher.

De muitas maneiras, Margaret era a personificação da Nova Mulher dos anos vinte: livre, liberada e autossuficiente. Em 1932, ela estava morando no Barbizon Hotel, famoso por abrigar aspirantes a atrizes como Ingrid Bergman e Candice Bergen, quando faleceu enquanto dormia, ainda vivendo sua vida em seus próprios termos e perseguindo as ambições de seu coração.

error: Modo de Segurança do Titanic !